Topo
Quicando

Quicando

As dublagens do Kaíque aumentam em dez anos qualquer expectativa de vida

Susana Cristalli

01/07/2019 09h00

Nos últimos dias, este simpático moleque chamado Kaíque tem feito uma boa parte da internet rir largado. Ele, que tem 14 anos, fez alguns vídeos de lip sync ao som de áudios virais, e aquele que o lançou a um estrelato quase instantâneo no Twitter foi este aqui, zoando um discurso alucinado sobre racismo reverso.

Lip sync significa mover os lábios de forma se encaixem com o que ouvimos, e em português costumamos chamar isso de "dublar" apesar de ser meio que o oposto de uma dublagem. Mas no vídeo ele faz mais que isso: as expressões, os gestos e os acessórios de cena (tipo, virar uma nota de R$ 10 quando diz "os valores estão se invertendo") são de rir batendo com a mão na coxa. O Kaique começou fazendo esses e outro tipo de vídeos na rede social Tik Tok , que ele usa desde 2015.

Mas, quando os amigos viram esse vídeo, acharam que mais gente, mesmo em outras redes sociais,  precisava disso na sua vida.

E, se você está se perguntando de qual círculo do inferno saiu esse áudio sem pé nem cabeça, saiba que o original é de uma youtuber que NÃO AGUENTA MAIS essa ditadura das minorias. Essa garota, olha, eu nem sei. Mas voltando a falar de coisa boa, o Kaíque contou que o vídeo dessa dublagem caiu nas graças de vários influencers que o repostaram.

Influenciadores gigantes como Nil Moretto e Felipe Neto elogiaram publicamente o vídeo do menino de 14 anos.

E tudo isso pro Kaíque ainda é meio novo!

Aí veio a live do presidente Bolsonaro sobre bijuterias de nióbio que, como eu mesma disse por aqui, pode ter lá seus problemas, mas ao menos rendeu a versão do Kaique.

Para ganhar 10 anos extra, veja Kaique interagindo com a @laurinhapace, que também fez uma dublagem sensacional da ministra Damares tentando aloprar as feministas.

Veja também:

O vídeo do nióbio é praticamente um bufê de momentos constrangedores 

Esse tutorial em um chinelo só pode ser obra de mentes diabólicas 

 

Sobre as autoras

Juliana Kataoka, jornalista e redatora, trabalhou no BuzzFeed Brasil, em agências de publicidade e outros veículos. Não consegue sair das redes sociais, mas jura que tenta. Redes sociais: Twitter Facebook Instagram
Susana Cristalli, jornalista de formação, redatora de tudo um pouco e tradutora. Moradora da internet, acorda cedo pra varrer a calçada cheia de memes do dia anterior. Redes sociais: Twitter Facebook Instagram

Sobre o Blog

Vamos contar pra você, do nosso jeitinho, as histórias que mais quicaram na internet durante esta semana e que você talvez tenha perdido, ou não.