Topo

A melhor do domingo foi descobrir o papel dos otakus nos protestos do Chile

Juliana Kataoka

27/10/2019 23h59

A coisa definitivamente não está bem quando os OTAKUS precisam se juntar pra resolver alguma coisa.

Otaku é o termo em japonês que se refere a pessoas fanáticas por mangás e animes e talvez você já soubesse por cima sobre sobre esta definição.

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Brigada Otaku Antifascista (@otaku_antifascista) em

Mas o que talvez você não saiba é que as manifestações no Chile estão mobilizando setores da sociedade de forma tão ampla o que ATÉ OS OTAKUS se uniram contra o governo do presidente chileno Sebastian Piñera.

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Brigada Otaku Antifascista (@otaku_antifascista) em


"Naruto nunca se rendeu, tampouco nós nos renderemos".

O estopim das manifestações foi o anúncio no começo deste mês que as passagens de metrô de Santiago aumentariam de 800 para 830 pesos chilenos (de R$ 4,50 para R$ 4,67, aproximadamente).

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Brigada Otaku Antifascista (@otaku_antifascista) em


"Esperei 22 anos para que Ash ganhasse uma liga Pokemón e acham que eu vou me cansar desta briga? De jeito nenhum, garota, de jeito nenhum!"

Os estudantes, que pagam 230 pesos na passagem (R$ 1,30), nem seriam afetados pelo aumento, mas eles rapidamente se tornaram o maior grupo nos protestos e que surpreendentemente começou a agregar Otakus numerosamente.

O presidente Sebastian Piñera revogou o aumento da passagem de metrô no domingo passado (20), mas não foi o suficiente para acalmar os ânimos de uma população revoltada – o aumento da passagem foi só a gota d'água.

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Brigada Otaku Antifascista (@otaku_antifascista) em


"Este sabor…. É o sabor de um mentiroso! Sebastián Piñera".

O país vive uma crise política tão grave e com uma desigualdade social tão profunda que o aumento da passagem é considerada apenas a ponta do iceberg dos problemas vividos pela população

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Brigada Otaku Antifascista (@otaku_antifascista) em


"Sem mais privatização da água para que nós otakus possamos tomar banho".

Agora o que leva a população às ruas é a dura repressão policial às manifestações que registrou denúncias de humilhação, abuso e assédio.

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Brigada Otaku Antifascista (@otaku_antifascista) em


"Menos policias, mais otakus".

Veja também:
Protestos no Chile: O que está acontecendo, por que há manifestações no Chile?
Denúncias de abuso dos direitos humanos crescem no Chile antes da chegada de missões da ONU e Anistia Internacional
Chile tornou-se um aviso incômodo para o Brasil

Os Otakus estão usando referências dos animes japoneses para criticar o governo e expor os problemas do país.

Ver essa foto no Instagram

 

Aguanten las sailor

Uma publicação compartilhada por Brigada Otaku Antifascista (@otaku_antifascista) em


"Piñera e Chadwick vão ser castigados em nome da lua".

Aqui você pode ver os manifestantes chilenos marchando enquanto cantam a música tema do anime Digimón.


"Os otakus chilenos cantando a abertura de Digimon em plena manifestação foi a melhor coisa que aconteceu no meu dia".

Tanto que o termo Pokemón foi parar no Trending Topics chileno anteontem (25).

E tudo isso porque um vídeo de um Pikachu caindo no chão no meio do protesto viralizou.


"'O Pokemón caiu!' KSKDKDLFLF NÃOOO O VÍDEO MAIS ENGRAÇADO QUE EU VI HOJE  JAKSKDLFLFLFLLFLF"

Até os próprios chilenos estão impressionados com esse tanto de otakus saindo do armário.


"Me zoaram por anos por ser otaku e agora nas manifestações me dei conta que 10 em cada 10 chilenos são otakus, que porcaria, galera, chilenos otakus no armário".

"Você lembra quando o Pornhub subiu um gráfico que dizia que o tipo de pornô mais visto no Chile era HENTAI??? Otakus no armário, galera".

Ainda nem todo mundo ache que tudo isso é uma grande surpresa.

Siga o Quicando nas Redes:
Twitter: https://twitter.com/blogquicando
Facebook: https://www.facebook.com/blogquicando/
Grupo no Facebook Quicando: https://www.facebook.com/groups/326104301631260/

Sobre as autoras

Juliana Kataoka, jornalista e redatora, trabalhou no BuzzFeed Brasil, em agências de publicidade e outros veículos. Não consegue sair das redes sociais, mas jura que tenta. Redes sociais: Twitter Facebook Instagram
Susana Cristalli, jornalista de formação, redatora de tudo um pouco e tradutora. Moradora da internet, acorda cedo pra varrer a calçada cheia de memes do dia anterior. Redes sociais: Twitter Facebook Instagram

Sobre o Blog

Vamos contar pra você, do nosso jeitinho, as histórias que mais quicaram na internet durante esta semana e que você talvez tenha perdido, ou não.

Quicando